Ações da CASA de Aprendizagens para uma educação antirracista e decolonial

Encontro com Édrio Pedroso educador e pedagogo indígena da etnia Borari

Brasil: Uma História Preta e Indígena

Durante dois anos consecutivos, o Tema Provocador de Experiências Investigativas da CASA de Aprendizagens foi: “Brasil: Uma História Preta e Indígena”. Ao longo desse período, toda a comunidade escolar viveu um processo de profundas e contínuas reflexões. Nesse sentido, importantes mudanças foram geradas em nossa escola, no sentido de uma educação cada vez mais plural, que abarque diferentes e múltiplas perspectivas.

Ao iniciarmos o ano letivo de 2022 com a proposta de um novo tema a ser investigado, uma questão se apontava: Como darmos continuidade ao currículo antirracista e decolonial? Enquanto uma pauta que entendemos urgente e emergente, queríamos reafirmar as descobertas provocadas no decorrer desses dois anos de pesquisa.

Encontro com Édrio Pedroso educador e pedagogo indígena da etnia Borari

Primeiramente, é certa, para nós, a necessidade de se desconstruir o pensamento dominante, eurocêntrico e racista. Por outro lado, essa prática crítica tem de ser trabalhada na cotidianidade escolar, ou seja, construída no dia a dia dos estudantes. Para tanto, ela deve atravessar as diferentes áreas do conhecimento e tomar o chão da escola. A cultura PRETA e INDÍGENA precisa ser viva e vivida pelas crianças e pelos jovens.


A cultura Borari

Nessa direção, muitas ações da CASA de Aprendizagens têm sido pensadas com vistas a presentificar – tornar um hábito escolar – as culturais brasileiras de matriz africana e indígena. Como a visita do educador e pedagogo Édrio Pedroso, indígena da etnia Borari. Divididos entre a Vila Alter do Chão, distrito do município de Santarém, e as margens do Maró-Arapiuns, no oeste do Pará, os Borari tem uma população atual de aproximadamente 1.100 indígenas.

Encontro com Édrio Pedroso educador e pedagogo indígena da etnia Borari

Édrio Pedroso partilhou alguns aspectos de sua cultura e projetou imagens de artes indígenas para a visualização das crianças. Além da roda de conversa, em que os estudantes ouviram atentos as histórias do povo Borari e expressaram suas curiosidades, eles puderam experimentar certas brincadeiras indígenas. Porém, o que mais encantou nossas crianças foi o ritmo do Carimbó!


O Carimbó

A palavra “carimbó” é de origem indígena: do tupi, korimbó (pau que produz som) resulta da junção dos elementos curi, que significa “pau”, e mbó, que significa “furado”. O nome faz referência ao curimbó, principal instrumento musical utilizado nessa manifestação cultural. Além do curimbó, o ritmo do Carimbó é composto pelo: afoxé, banjo, flauta, ganzá, maracá, pandeiro e reco-reco.

O Carimbó do Pará foi trazido ao Brasil pelos africanos escravizados e posteriormente, foram a ele incorporadas influências indígenas e europeias. Depois de dez anos de inventário, o carimbó foi declarado em 2014 (por unanimidade) no Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

Encontro com Édrio Pedroso educador e pedagogo indígena da etnia Borari

Outro fato interessante sobre o Carimbó é que, no Pará, em 26 de agosto é comemorado o Dia Municipal do Carimbó. Pois essa é a data de nascimento do Mestre Verequete, músico que ficou conhecido como Rei do Carimbó.


A vivência com Édrio Pedroso

Na vivência do Carimbó, as crianças da CASA de Aprendizagens experienciaram em seus corpos, os elementos próprios a essa manifestação cultural. Entre eles, o dançar em roda, o jogo entre pares e os movimentos giratórios divertiram os estudantes e lhes possibilitaram o conhecimento de novos códigos de expressão corporal.

Encontro com Édrio Pedroso educador e pedagogo indígena da etnia Borari

Também as vestimentas do Carimbó são características, como as saias coloridas e rodadas das mulheres ou os chapéus dos homens. Tais trajes, que além de embelezar certos movimentos do Carimbó, ajudam a compor alguns passos da dança, não ficaram de fora dessa experiência.

Acreditamos assim que nossas crianças, desde a mais tenra idade, tenham suas memórias afetivas construídas na diversidade, no respeito e no amor. Por meio de vivências como essa, que visam valorizar nossas matrizes culturais, buscamos crirar pontes para a formação de uma cidadania integral.


Édrio Pedroso educador e pedagogo indígena da etnia Borari

Agradecemos imensamente a Édrio Pedroso, que tornou nossa escola mais viva, mais cheia de cores, saberes e encantamento. Partilhando seus saberes, contribuiu com o nosso projeto de uma educação antirracista e decolonial.

Viva Édrio Eriel Borarí! Viva as culturas PRETA e INDÍGENA!


Agende Uma Visita

Casa 1
Rua Dona Germaine Burchard, 197 - Perdizes
Fones: (11) 3862-0934 | (11) 3675-1474

Casa 2
Rua Dona Germaine Burchard, 239 - Perdizes
Fone.: (11) 2338-3920

Casa da Primeiríssima Infância
Rua Melo Palheta, 57 - Perdizes
Fone: (11) 2373-5616

fale conosco

Celular/WhatsApp:
(11) 94593-9959

redes sociais

Casa de Aprendizagens
© 2019-2022 - CASA de Aprendizagens - Todos os direitos reservados